Exercício do Direito de Resposta – SIC

Exmos. Srs.,

É com desagrado que vimos o Protesto da Geração À Rasca, do dia 12 de Março, associado abusivamente a um outro movimento que advoga a demissão de toda a classe política, o qual não tem ainda data marcada para se manifestar. Este movimento diz apoiar a nossa causa, como o têm feito muitos outros movimentos e organizações da sociedade civil, políticos ou apolíticos, religiosos ou laicos. Contudo, nada têm a ver com o Protesto da Geração À Rasca.

Sabemos também que circula um email onde é feita uma colagem vergonhosa entre os dois movimentos, que se aproveita do mediatismo criado pelo protesto dos desempregados, “quinhentoseuristas” e outros mal remunerados, escravos disfarçados, subcontratados, contratados a prazo, falsos trabalhadores independentes, trabalhadores intermitentes, estagiários, bolseiros, trabalhadores-estudantes, estudantes, mães, pais e filhos de Portugal.

Parece-nos pouco apropriado que um canal de televisão prestigiado, informado e que se pretende imparcial, como é a SIC, já conhecedor das pretensões democráticas e pluralistas do Protesto da Geração À Rasca, tenha feito passar uma mensagem, através do comentador Miguel Sousa Tavares, que nos associou a um movimento completamente diferente e que facilmente se percebe nada ter em comum com as pretensões do Protesto da Geração À Rasca, o qual foi acusado pelo referido comentador, de forma ligeira e errónea, de ser anti-democrático.

Disto depreendemos que, nem o Miguel Sousa Tavares nem a SIC efectuaram a pesquisa jornalística essencial à apresentação da informação, de forma idónea, tal como a merece o público português.

De acordo com artigos 24º, 25º e 26º da Lei de Imprensa (lei nº 2/99 de 13 de Janeiro), requeremos  o direito ao esclarecimento e dissociação clara, no mesmo programa e horário, com a atribuição do mesmo tempo despendido hoje na adulteração do mote do nosso Protesto que, acreditando no vosso profissionalismo, julgávamos serem já conhecedores.

Finalmente, aconselhamos vivamente a leitura do nosso Manifesto e do Esclarecimento (https://geracaoenrascada.wordpress.com/2011/03/04/esclarecimento/) presente no nosso blogue.

Melhores cumprimentos,
Alexandre de Sousa Carvalho
António Frazão
João Labrincha
Paula Gil

Esta entrada foi publicada em Contacto com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

117 respostas a Exercício do Direito de Resposta – SIC

  1. infinitozero diz:

    Não percebo como MST pode considerar um acto de protesto como demagogia. O protesto de rua é o que resta depois de todos os outros meios terem falhado, não é demagogia, é uma acção, não é uma ideia, é uma forma de expressão colectiva.
    Tenho também alguma dificuldade em entender que exista apenas um discurso politicamente correcto e verdadeiro, que é exclusivo dos partidos politicos e dos comentadores politicos que lhes são afectos e submissos. Os movimentos de rua, quando fundamentados num descontentamento real, e não manipulado por interesses político-partidários, são o que de mais de puro existe enquanto forma de acção política. Aprecio as opiniões do MST, mas neste caso esteve mal, manifestando uma posição demasiado conservadora ao defender que a participação dos cidadãos na vida politica só tem um palco e um meio, as eleições e os comissios politicos.
    Talvez o Miguel Sousa Tavares esteja esquecido de que o recurso à demagogia, tem sido praticado à exaustão pelos vários partidos politicos da direita à esquerda, e que esse sim, é perigoso, porque desinforma e leva à mentira e ao engano.
    Expressar na rua o descontentamento, não está no mesmo plano das ideias ou opiniões, é simplesmente um acto de liberdade de expressão, onde diferentes ideias e opiniões coabitam, unidas por um único factor, a consciencia de que o sistema defendido por MST falhou.

  2. Bolota diz:

    Este Sousa Tavares a mamar nelas ainda se vai safando quanto ao resto…esquece-se é que está instalado no sistema

  3. Pedro Azevedo diz:

    O falar político é sempre o mesmo e dos amigos dos políticos antigamente chamados de colarinhos brancos, será sempre o mesmo, retiram dinheiro ao trabalhador e ao próspero trabalhador, a situação tem tido a ser muito má se refizermos o bom estudo, e os entendidos licenciados verificam o problema dos não estudantes, a precariedade a fome a insubordinação e diferença é um factor existente mesmo antes do 25 de abril até hoje, e vivem assim sem reconhecer os seus direitos, a luta dos entendidos também passa por mudar o país, é preciso criar barreiras ou barragens aos rios de informações e poleiros a bombardear o povo constantemente, dar voz ao povo é a maior barragem de sempre é verdadeira.

  4. JC diz:

    Boa noite,

    Estive a ler algumas respostas e deixem-me que lhes diga que acho que a culpa de isto estar como está não é de pessoas como este MST, como o “eng” Sócrates,…, mas sim de voces, de mim, …

    O que eu quero dizer com isto é algo de mais pura evidencia, que é o facto, e tenho a certeza que alguns do que aqui escreveram estão nesta “lista”, de quando há eleições vota-se sempre ou pelo menos maioritárimente, como aliás se tem visto, PS e PSD.
    Eu posso afirmar que já lá vão uns anos que voto em “todos” menos nestes dois.

    Porquê?
    Ora é muito simples. Hà decadas que é sempre a mesma coisa, vai 1 rouba aqui, vai outro rouba acula, …, enfim, destes é certo que não dá nada dos outros, em principio também nada daram, mas pelo menos existe a incognita.
    Eu costumo dizer que se temos algo que sabemos que não serve porque não exprimentar algo que não sabemos ??!!!

    Ésta sim, na minha opinião, era a luta certa a fazer, votar num outro partido e nda de PS e PSD. Tanto pode ser CDS, PCP; BE; Verdes, …, enfim outro.

    Enquanto andarmos no diz mal deste, mal daquele, mal do outro, mas não trocarmos, acho que ésta “geração à rasca” vai passar a “geração a rastejar”.

    Está na hora de agir.
    Está na hora de mudar.
    Está na hora de os tirar.

    Vamos arregassar as mangas e “lutar” contra ésta tirania.
    Vamos calar a boca e agir. Não chega falar.

    Pensem um pouco e vão ver que tenho razão.

    Força PORTUGAL.

    Um grande abraço.

    JC

  5. Pingback: Tudo o que quer saber sobre as manifestações de 12 de março e não tem vergonha de perguntar | Aventar

  6. Fernando Rebelo diz:

    No dia 25 de Abril de 1974 o doutor Francisco de Sousa Tavares, advogado, marido da poetisa Sophia, instalou-se no topo de uma das guaritas do quartel do Carmo e, qual Gel, arengou à multidão – ao povo que veio para a rua – dizendo que estávamos numa revolução e etc., etc. O que faz um pai não tem que ser respondido por um filho. E, aí, o Miguel cumpre. À letra. Viver à sombra de legados é bem melhor que ter de lutar pela vida. Ter de se fazer à vida e não estar à espera de heranças. Miguel, mete-se de novo, no topo da guarita e, sabendo que ninguém o poderá atingir, lança a sua arenga. Sem megafone. Já não é democrata. É um desprezocrata. Abomina tudo o que cheire a gente que trabalha e que é explorada. Abomina todos os que ainda crêem e lutam pela emancipação do Homem. No topo da guarita – Miguel, desvirtuando uma obra poética plena de citações, das quais deixo apenas esta: « Tempo de solidão e de incerteza / tempo de medo e de traição/ tempo de injustiça e de vileza/ tempo de negação…(…)»

  7. Mario Augusto diz:

    Perder tempo a ouvir esse menino burguês, cada vez mais igual a Hitler, Lenine, Mussolini, Staline e outros que tais, e pensar que o Sr. de S. Bento e a maior virtude que este País a beira mar plantado pode ter, estou farto de cobardes, oportunistas e…………………………. não digo mais nada.

  8. Maniq diz:

    …datado e demagógico parece ser o sr. Miguel Sousa Tavares…Francamente, ter vergonha de irmos à Alemanha apresentar esta musica de descontentamento no Festival porque a Alemanha nos vai emprestar dinheiro… ?! Acho muito bem que se demonstre descontentamento sobre tudo aquilo em que não se esteja contente. Não será isto o ser-se coerente? Ou será que este sr. defende que deveremos silenciar-nos numa espécie de cinismo barato e fácil… Isso é fraqueza.

  9. José Nunes diz:

    Quem assim fala, é quem está bem na vida, ganhando a vida a mandar uns bitaites na TV, fala assim quem teve um pai que à sua sombra o ajudou a desenrascar-se, fala assim que escreve uns livros que ao que parece outros já escreveram, enganou-se mais uma vez a manifestação foi um sucesso, e que se saiba sem a ajuda do PC.
    J. Nunes

  10. Docearoma diz:

    Eu fui! A minha geração já foi em tempos apelidada de “geração rasca” e agora passámos a “geração à rasca”, eu diria mais somos um “país à rasquinha”! É natural que se “colem”, a um movimento que atingiu a dimensão que atingiu ainda antes do dia 12, outros movimentos, alguns com ideias completamente antagónicas outros até ligados a um ou outro partido, é natural!

    Acho que não foi demagogia. Eu estive lá e ouvi coisas que não queria ter ouvido, ouvi uns jovens dizerem “bom era que houvesse porrada isso é que eu queria”, não gostei, mas sabia que certamente esse não era o espirito da “coisa”. Acredito na mudança, acredito que é possível termos um país melhor mas também acredito que essa mudança depende de cada um de nós.

    Quando a abstenção atinge os 50% que podemos nós pedir? Há que ir votar nem que seja em branco que é o mesmo que dizer “não concordo com nenhum de vocês…” mas sempre é melhor ir, votar é merecer a democracia, na minha opinião só quem vota tem direito de exigir que aqueles que elegemos, governo ou oposição ,defendam as ideias em que acreditamos e façam qualquer coisa. Votar é um direito do qual devemos usufruir mesmo até que não acreditemos nos Partidos Politicos, nas ideologias, mesmo até para quem não acredita em nada. Se não é a democracia qual a alternativa? Votem!

    Não vou a dizer que concordo com o que o governo está a fazer, mas na realidade estamos a viver as consequências de anos de má governação e não apenas deste governo. Todos temos consciência de que é necessário fazer alguma coisa e bem ou mal o governo está a fazê-lo. E a oposição? O que eu vejo é a oposição apenas a criticar, não os vejo a apresentar alternativas ou a dizerem preto no branco o que fariam se fossem eles a governar neste momento de crise, isso era o que eu gostava de saber…

    Temos que lutar pela mudança mas queremos mudar exactamente o quê? O país em que vivemos? Os politicos? As ideologias? o Governo? Não existem soluções instantâneas é necessário saber o que estamos dispostos a fazer pela mudança.

    Querem acabar com os trabalhadores precários? Com os falsos recibos verdes? Como? se o próprio Estado emprega centenas de pessoas a falsos recibos verdes…
    O Estado quer poupar? Então deixem de pagar despesas de representação às chefias intremédias, que não são tão poucas como isso, e que não precisam delas para atravessar a estrada e ir a uma reunião ou para vestirem fatinhos da treta. Deixem de pagar ajudas de custo por dá cá aquela palha sem prova de que a deslocação foi ou não efectuada, não basta dizer “eu fui” há que prová-lo. Desperdiçar dinheiro em outsorsing quando há recursos que podiam ser aproveitados dentro da própria administração pública, e provavelmente pagariam muito menos. Cruzem serviços entre os ministérios e poupem dinheiro! Acabem com os desperdicios de papel na AP usem os e-mails e os arquivos digitais. Não são os funcionários públicos, aqueles que nos atendem nas finanças os responsáveis pela crise, nem pelas despesas do Estado.

    Querem poupar na despesa pública, então deixem de mudar o mobiliário e tudo o mais de cada vez que muda o Ministro, o Director, o Chefe de serviço…., de pintar a parede do gabinete porque o sr. não “curte” a cor, de trocar de carro só porque sim, de fazer obrinhas da treta e contratar a empresa do amigo, de gastar fortunas em almoçaradas e lanchinhos, em publicidade que só serve para inglês ver, em papel timbrado quando se pode imprimir o timbre quando se imprime a carta através de um simples template, de oferecer brindes quando não há dinheiro, de pagar despesas de representação a quem não representa coisa nenhuma a não ser 1 ou 2 vezes por ano, de pagar ajudas de custa a quem não viaja, de pagar a quem falta e não justifica, de pagar a quem não faz nenhum e acha que é um direito porque é Professor Universitário, de pagar a acessores de acessores que não acessoriam nada, reconheçam quem trabalha penalizem quem não quer trabalhar, de pagar subsidios de reinserção social a quem se auto-exclui pagem a quem realmente precisa, de pagar subsidios de desemprego a quem até está a trabalhar pagem a quem está efectivamente desempregado, de dar dinheiro aos bancos que têm lucros de milhões, vejam quem tem rendimentos “não declarados”, empresários que tem de tudo mas só recebem o ordenado minimo, cobrem a quem deve milhões ao estado, largem o TVG, e outras obras megalomanas, invistam nas pequenas empresas, na produção nacional, nas patentes que tantos investigadores acabam por vender a outros países que as aproveitam, produzem e depois nós compramos, etc etc etc

    Não somos uma geração à rasca somos um País à rasquinha!!!

    • Leandro Gomes diz:

      Venho apenas manifestar a minha total concordância e compreensão pelo seu testemunho. Após ter ouvido e visto muita opinião disparatada, irracional, hipócrita e demagógica (reveladora de uma grave crise de valores na nossa sociedade) nestes comentários, finalmente encontro uma opinião séria, sem radicalismos, com consciência do que está mal e do que pode e deve ser feito para que o País de desenvolva. Acredito na política porque acredito na democracia. Quem critica os que lá estão só tem um caminho: ir para lá e fazer melhor. Mas que depois não se queixe se também for apelidado de ladrão e corrupto (está apenas a provar do próprio veneno que terá lançado antes).
      Muitos do que agora saem à rua para reclamar nunca votaram (mas talvez já tenham gasto uns bons euros para votar nos “Ídolos” ou na “Casa dos Segredos). Muitos dos que agora saem à rua para reclamar passam mais tempo no Facebook do que à procura de emprego. São capazes de ter dinheiro para as mensalidades da Internet, do(s) Telemóvel(is), vestirem-se com roupa de marca e irem todas as noites ao café; mas queixam-se que não conseguem poupar. Com todo o respeito pelos Licenciados, Mestres, e Doutores desempregados, aqui deixo uma pergunta: O vosso curso tem utilidade? Há mercado de trabalho para a vossa formação? O que é que muitos de vós podem, com essa formação, fazer pelo país? Sou licenciado, felizmente tenho emprego (e trabalho também) mas esforcei-me por isso. Se tiver que continuar a estudar, assim o farei. Não para dizer que tenho um mestrado, mas para melhorar a minha situação actual e poder progredir na minha profissão. Dos jovens europeus, foram os portugueses que mais compraram carros novos. Afinal onde anda a crise?
      Muitas vezes, para sabermos por onde ir, devemos saber de onde viemos. Convém que se aprenda com os erros e as experiências do Passado. Muito mais teria para dizer…

      • João Soeiro Gonçalves diz:

        Caro Leandro, há efectivamente muitos maus hábitos no consumo dos jovens, onde até eu me posso rever nalguns deles. No entanto, não argumente que são os jovens portugueses que gastam muito e em bens superfluos, ou então que não se esforçaram o suficiente nos seus estudos, quando isso é uma realidade transversal a toda a Europa, com a “pequena” diferença que lá há até dinheiro para isso. Mesmo na situação dos carros, e que se estende também aos telemóveis, não deixe de observar e pesquisar que são produtos de consumo que proliferam precisamente nos países com pior qualidade de comunicações ou onde as redes de transportes públicos são manifestamente deficitárias. Lembra-se concerteza dos tempos em que a única alternativa que tínhamos para falar com alguém era recorrendo aos belíssimos serviços da PT – e melhor ainda – aos monstruosos tarifários que cobrava. Se actualmente ainda gastamos muito em comunicações móveis, é porque de facto os tarifários continuam absurdamente altos em relação ao resto dos paises da Europa (acredite: compare os tarifários no Reino Unido com os nossos, e perceberá com muita clareza o que lhe digo…ah! e veja também os equipamentos que são postos à disposição do cliente e por que preços… e quando vir um novíssimo e luxuosíssimo iPhone4 em contratos de 2o libras mensais, perceberá…) Por outro, se compramos muitos carros, faça também uma experiência semelhante: compare os subúrbios de qualquer grande cidade europeia, ou para sermos mais precisos, das restantes capitais, e compare a disponibilidade e variedade de rede de transportes de que eles dispõem, e em que horários, e verá que Portugal pouco melhor é que um país de 3º mundo nesse capítulo. Por último, deixe-me que lhe diga: enquanto nos tão esforçados anos 60 assistimos a uma imigração em massa, de serventes e mulheres de limpeza, hoje assistimos a um êxodo em massa de pessoas para quadros técnicos pelo mundo fora, onde afinal o seu esforço e o seu trabalho e as suas licenciaturas são respeitadas e aproveitadas, coisa que este país tem vindo a delapidar há uns bons 10 anos pelos menos. E continua a ser triste ouvir dizer que são as pessoas que são preguiçosas ou que tiraram mestrados ou doutoramentos que não interessam ao país, quando lá fora, essas pessoas são priveligiadas pela excelência de conhecimentos. Peço-lhe pois que não perpetue essa mentalidade que tem arrastado o país para este buraco sem saída, porque na verdade, os que mais querem bitolas e mais cortam as pernas aos jovens são precisamente os que há 20 ou 30 anos se licenciaram, competentes ou não, arranjavam emprego quase de mão beijada e que – esses sim, esbanjadores da recente torneira aberta da CEE na altura – nunca tiveram a coragem e a ousadia (ou talvez competência?…) para tomar as mais pequenas rédeas do destino deste país. Ter uma população culta, civilizada, instruida, nunca poderá ser um sinal de retrocesso civilizacional. Não a aproveitar e procurar tirar partido dos seus conhecimentos, negligente e irresponsavelmente, é defender que recolocar o país estaria melhor onde o nosso “amigo” Oliveira nos prendeu durante 42 anos. Congratulo-o pelo seu esforço e pelo seu mérito quanto ao seu esforço: mas não parta de príncipio que quem não consegue, é porque é preguiçoso. Podia-lhe contar aqui onde estudei, onde concluí o secundário, com que notas, num curso “à antiga”, numa das faculdades antigas deste país. No entanto, 8 anos depois de estar no mercado de trabalho, não tive ainda qualquer lugar que se assemelhasse sequer ao que qualquer licenciado tinha, garantidamente, há 30 anos atrás. Percebe agora com mais alguma clareza por onde passa o desespero dos jovens actualmente?…

  11. antunano diz:

    Já tinha ouvido um zunzun de que M.S.Tavares tinha dito algo de menos agradável para este movimento.Sousa Tavares não é capaz de dizer as verdades dos políticos dado que come na gamela deles e do PS ainda mais.
    Mas depois de ler opiniões e mais opiniões em que nem todos estava tatalmente em desacordo com Tavares,fiquei com a impressão que o movimento se deixou arrabanhar por pessoal que só queria dar nas vistas.
    Senão vejamos: O que fazia na manife o sor. Fernando Tordo , figura sínica dos comunas e outros transeuntes de correntes de esquerda a aproveitar a boleia como foi o caso da CGTP, ligados às mais feroses ditaduras de esquerda , dizendo-se sempre DEMOCRATAS.
    Foram por estes e outros sinais que cancelei a minha participação na manif, porque se estivese ligado ao movimento tinha estabelecido algumas regra para evitar dissabores de acusações de se misturarem com esquerda ou direita.
    Tinham feito ouvir a vossa vós , dizendo que NÃO permiteriam misturas de gente que nada tinha a haver com o movimento e se aparecessem não exitaria em escorraça-los por má figura.
    Depois , como devem pretender alterar algo , dado que uns quantos estão a comer tudo e os outros muitos pouco ou nada têm para comer, deviam ter marcado alguma presença com as seguintes exigências:
    Referendar uma nova constituição moderna, como as de alguns países pequenos da UE, onde estamos inserido e que vivem bem. Essas alterações na futura constituição , passava por reduzir o nr. de deputados para 140 e destes , tirava-se a percentagem da Madeira e Acores e dos restantes , 40%seriam eleitos pela sociedade civel.
    Nenhum deputado seria eleito se não tivesse 5 anos de corriculo na iniciativa privada e com bom desempenho.
    Seria criada uma comissão, como há na Holanda, sem poderes de governação mas com poderes de não deixar NENHUM governo gastar o dinheiro dos contribuintes onde não deve. Esta comissão teria ainda poderes para regeitar os programas dos partidos que visse que não tinham viabilidade de qualquer governação,como os comunbistas, que teriam os seus programas regeitados.
    Os presidentes de Câmaras seriam eleitos pela sociedade civil das respetivas cidades.
    Os veriadores seriam eliminados e o seu trabalho que não é nada, passava para os diretores gerais.
    Os governadores civil era elininados , as juntas de freguesia reduzidas e camara sempre que possivel.
    O Estado seria tão pequeno quanto possivel para não ficar cheio de gente a fazer nada e a ganhar bem, que foi o que fizeram os Abrilinos que criaram um Estado que tem 220 mil pessoas a mais. É onde está entachado o super enchame de BOYS de todos os partidos.
    Criar uma única caixa de reformas e pensões para toda a gente e nunca mais deixar que alguém se reforma antes dos 67 anos e que só receba aquilo que descontou.
    Criar leis da justiça para que nunca mais apareça um Pinóquio a comprar um PGR para o livrar a ele e todos os que têm dinheiro e da politca para não serem julgados.
    Estas leis devias ser bastantes DURAS para toda e qualquer trafulhisse para acabar com os diplomas comprados pelos politicos.
    Criar uma educação exigente e disciplinada de maneira a que aquilo que se vê ,é de verdade e não aparente, como está a acontecer.
    Criar leis laborais iguais para o Estado e para o privado , em que uns podem ser despedidos e os outros são impunes.
    Criar uma ideia que se deve valorizar o mérito e não a golpada e vigarisse com pena bastante severas.
    Constituir um padrão de vencimento em todos quantos é Estado , em que toda a gente passaria a receber 75% da média do vencimento pago na UE , do vencimento referido ao seu posto de trabalho.
    Eram estas ideias que deviam ter ilaborado , sem que deixassem , mais ninguem misturar-se , principalmente aqueles que sempre têm vivido da fantasia e mentira, engando o zé burro e incente.

  12. James diz:

    Faltam-me de repente as palavras para insultar esse cretino, como ele mereceria.
    😦

    • Joaquim Correia diz:

      Eu tenho palavras, mas são um bocado impróprias para usar neste fórum. Com este Sr. só apetece fazer uso do vernáculo

  13. João Soeiro Gonçalves diz:

    A este senhor, eu só gostava de o ver nas seguintes situações:
    – não receber os direitos de autor das obras da mãe
    – pagar propinas do curso superior que tirou no estado, fazer uns quantos estágios não-remunerados, e nos salários dos anos seguintes auferir um salário de 500 euros.
    – não ter saltitado de cargo em cargo jornalístico, curiosamente muito coladinho sempre a alguém da politica.
    Depois queria ver se ele não fosse filho de quem é, se aparecia na televisão e nos jornais a escrever tão bem, se lhe davam tanto tempo de antena, e mais, se teria tempo para escrever livrinhos, se tivesse de comer deles até os por à venda! E já agora: já que é tão sabedor e clarividente da situação e do país, e sempre tão sensato em tudo, porque não nos agracia com a sua valentia – ao invés da habitual arrogância e pedantice – e se candidata a um cargo politico?! É que se é só para falar, e ganhar dinheiro como faz há anos, então deixe-me que lhe diga: só não é mesmo um político porque não quer!

  14. Luís diz:

    Uau, este Miguel Sousa Tavares conseguiu errar em tudo. E sempre com aquele pico de arrogância de quem se acha dono da razão e que torna tudo o que disse tão mais engraçado.

    Será que ninguem vê o quão ultrapassados, desinformados, distante da realidade estão estes senhores, que por alguma razão que desconheço, ainda tem tempo de antena nos media Portugueses. É que são sempre os mesmos, com as mesmas conversas. Já parecem a classe politica Portuguesa.

  15. Amilcar Maria diz:

    Se não houvesse noticias para comentar como é que o MST ganhava a vida?, andaria a pedir, ele defende os politícos pois o pai dele enquanto politíco também andou por lá e nada fez que tenha contribuido para o engradecimento do país, pela conversa dele nota-se que está contra o 25 Abril, tem uma dose de raiva, esquece que se não fosse as manifestações o envio de tropas para as ex-colónias se tinham prolongado por mais uns meses e se não fosse esse dia hoje ele não teria a liberdade que tem hoje. Talvez esta ditadura do PS de hoje lhe fique bem, também deve andar à procura de tacho nalgum gabinete de imprensa ministerial. Não consegui compreender o que ele tem contra as manisfestações populares. Uma coisa ele tem razão é quanto ao aparecimento de ditadores, estes aparecem sempre quando a população está descontente com os politícos, de quem é a culpa se não destes e que no nosso caso têm sido sempre os mesmos. Pelo que sei nunca passou privações.

  16. paulo diz:

    Pelo que percebi dos vários comentários só posso acrescentar que tenho 44anos com mais de 20 a comtribuir para o estado com os descontos que eles sempre imposeram e agora no desemprego recebo o que eles me quiserem dar e até eles terem fundo para o fazer. Penso que só os mais novos poderão inverter o rumo que este país está a levar… FORÇA e NÃO DESISTAM um abraço

  17. Joao diz:

    Realmente concordo plenamente com o ex.mo Dr. Sousa Tavares, quando os contribuintes virem os homens da luta no festival da canção, não vão mais queres emprestar dinheiro a Portugal, e não os censuro, eu também não emprestava!!!!
    Não queria dar de mamar aos santos e inocentes políticos que gerem Portugal.
    Novas medidas de austeridade… pff… querem congelar reformas, criar impostos a quem recebe reformas mais altas…
    Mas referiram eles que iam cortar as Multi-reformas???? Que quem tem mais do que uma reforma passava a receber uma só??? Nada disso!!!! Bando de mamões!!!
    Queria ver o Sr. Dr. a viver com 500 euros… ou até mesmo com 1000e mensais, podiam crer que ele estava na linha da frente a berrar, ele e todos os amigos dele.

  18. Só dá valor ao Miguel Sousa Tavares quem anda distraído e ainda não percebeu que esse senhor está numa fase decadente há já muito tempo! Sempre muito bem a expressar ideias e opiniões como verdades absolutas sem qualquer tipo de fundamento por trás. Mais um que precisa de ser substituído por um jovem desta geração! Força!

  19. Filipe Chichorro de Carvalho diz:

    Este vídeo é simplesmente surreal… como é que é possível que um dos mais mediáticos comentadores portugueses esteja tão desatualizado quanto à realidade portuguesa?

    • Miguel diz:

      Não deixa de ser curioso que, a Geração à Rasca pode criticar tudo e todos e não admitem que eles próprios podem ser criticados. Quando recebem uma crítica menos positiva ficam ofendidos, o que estão no seu pleno direito, claro.

      Não deixa de ser claro também que esta manifestação está de mãos dadas com partidos políticos nacionais, o que é uma pena, pois assim perdem a credibilidade e são somente mais uns a querem ser do contra. Sabe-se lá se este movimento não nasceu num daqueles partidos de extrema esquerda.

      Sinceramente eu era para participar neste movimento, mas ao longo dos últimos dias vejo tanta colagem, tanta politiquice e tanta demagogia (aqui o MST tem total razão) que acabei por não me rever mais neste movimento.

      Desejo claro a todos os participantes que tudo corra pelo melhor amanhã, e desejo profundamente que não haja confusão nas nossas ruas de Portugal fruto de alguns desordeiros que certamente lá estarão apenas para isso.

  20. N.M diz:

    Se eu tivesse um ordenado como tem o M.S.T. tambem não me custava nada vir ca…ar larachas para a TV…. Gostava que ele se governasse com 400 € por mês durante 5 anos… Continuaria com a mesma conversa? são todos iguais…. Comem todos do mesmo tacho

  21. se o MST sentisse na pele e no bolso a crise que ataca a maioria dos portugueses, talvez estivesse mais atento aos motivos que vão levar amanhã muitos milhares de portugueses á rua.

    http://brigadascinzacoelho.blogspot.com/2011/03/crise-quando-nasce-nao-e-para-todos.html

  22. vitor santos diz:

    Este senhor é uma verdadeira vergonha !!
    Nem sabe medir bem as palavras… quer dizer que os jovens em Portugal devem sempre ser parvos ?? Há que ser coerente e saber do que se fala.
    Esta manifestação da Geração á Rasca nada tem a ver com partidos políticos… tenham vergonha na cara… as pessoas têm o direito de se manifestar, ou isso só era válido antes e depois do 25 de Abril ??? Agora já não interessa ???
    Tenham vergonha !! Nem todos os jovens em Portugal são inspirados por Casa dos Segredos ou Morangos com Açucar. Têm inteligência suficiente de reivindicar o melhor para si e para os seus !!

  23. Pai Natal diz:

    Mas que disparate! O que verdadeiramente importante é levar a cabo uma revolução violenta contra a classe politica e as restantes elites asquerosas que mandam neste país e já agora em boa parte do resto do mundo.

    Como é que é possível querer mudar seja o que for sem primeiro eliminar a actual classe politica. Aliás como é possível fazer uma manifestação para denunciar os problemas desta geração de escravos e depois abrir a manifestação aos próprios escravizadores que nela queiram participar?

    A única explicação que encontro para isto é que este movimento da “geração à rasca” não é mais do que um movimento gerado por dissidentes dos actuais partidos que apenas querem protagonismo de modo serem promovidos mais depressa nas “carreiras” dos partidos.

    Por último espero que de entre os palermas que vão a esta manifestação haja alguém com tomates para receber com miminhos os políticos que lá fizerem questão de marcar presença.

  24. Paulo Worm diz:

    É curioso como este senhor, que tem dois romances escritos (para além de outras intervenções literárias), na minha opinião, de uma qualidade excelente, consegue ser tão desagradavelmente arrogante e de uma argumentação crítica tão superficial e preconceituosa!… É impressionante como alguns jornalistas e comentadores se apresentam como se fossem os donos incontestáveis da verdade mais absoluta e desdenham tudo o que as suas bitoladas inteligências não conseguem acompanhar…

  25. Pedro Pedreiro diz:

    Somos a consequência da geração “O último que feche a porta”. Para quem não sabe o que quer dizer a expressão, posso dizer que é o que tem acontecido nos últimos 30 anos neste pais … pedem emprestado agora e os que vierem a seguir que paguem !

    A classe politica, os jornalistas e as respectivos grupos económicos que controlam os meios de comunicação, as empresas publicas e as participadas pelo estado, os bancos e as empresas que operam em solo nacional e mandam os lucros para as off-shores, os advogados e economistas ligados ao poder tornaram-se numa coisa que só posso classificar, na minha opinião, como um ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA.

    O “Sr. Cunha” é que manda ! A mentira é soberana ! As leis são o manual de “como roubar o povo e não ser apanhado, não ser julgado ou prescrever” ! A propaganda segue os melhores estilo fascista (uma mentira repetida muitas vezes …) !

    Estudar de nada serve quando a “geração quarta-classe” se sente ameaçada pelo jovens que tentam vingar pela técnica e não pelo chico-espertismo. É triste ver ouvir jovens a dizer que não podem mostrar as suas qualificações para conseguir um emprego.

    Pessoalmente este pais está perdido quando os partidos funcionam como máfias, quando o povo vota em pessoas que cometeram crimes., quando quem iniciou esta espiral descendente acaba de tomar posse, quando as duas máfias principais jogam o um “teatro” ininterrupto do “agora sirvo-me eu e tu refilas”.
    E quem é o amo deles ? Os bancos ? Potências estrangeiras ? À espera do cargo dos 500.000 euros ? dos 3 milhoẽs de euros por ano (no caso da EDP)?

    As sociedades são um jogo de equilíbrios entre os poderes políticos e entre os poderes económicos … a politica neste pais tem sido feita para servir os bancos e os grandes grupos económicos destruindo o tecido social, empresarial e empenhando o futuro deste pais. Os bancos continuam nos lucros desmedidos, a sonae continuam a mandar o dinheiro para as off-shores da Holanda mal entra na caixa do supermercado, a EDP aumenta a electricidade para o CEO ficar bem na foto e justificar o salário desmedido !

    A culpa disto é dos que clamam por menos estado, mas vivem na mama do estado, dos que se sentem inseguros na sua gaiola dourada e pedem mais policia, dos que desde 2004 colocaram este pais em guerra à revelia da constituição ( e guerra continua mas ninguém repara !!).

    Crise ? … vocês estão a pagar os triliões da guerra dos americanos para controlarem o petróleo ….

    • Pedro de Jesus diz:

      Não sigo esses PASSOS,
      Muito menos abro essa PORTA
      e nessa LOUÇA não como eu,
      John Wayne matou JERÓNIMO
      mas afinal que faço eu?
      Saio para a rua no dia 12,13,14….
      os que forem preciso para este novo Portugal,
      chegou a hora da mudança,
      NÃO MAIS DO MESMO!
      grito eu…..

    • Joao Vasconcelos diz:

      Depois de ler uma grande parte dos comentários e de ouvir a entrevista queria aqui deixar a minha opinião pessoal em relação à este assunto.

      É verdade que neste momento os jovens em geral estão a passar por momentos difíceis. Isto é verdade tanto em Portugal como em outros países Europeus, e acreditem que na Grécia, em algumas regiões de Espanha e na Irlanda as coisas não estão melhores. Restrinjo me aos países da EU, por duas principais razões:
      1) São países desenvolvidos, pelo menos comparativamente com a média mundial;
      2) É a realidade que melhor conheço já que sou Português, e vivi na minha pela a dura realidade da situação económica no nosso país.

      Depois desta pequena introdução queria dar o meu apoio ao comentário de que os canais de televisão, jornais e comentadores deveriam ter maior cuidado e rigor da maneira como transmitem o seu ponto de vista. Erros escandalosos como este são para serem evitados, já que deturpam completamente a realidade.

      No entanto, e esta parte poderá ser um pouco mais controversa, queria dizer que entendo o ponto de vista inicial do comentador, isto até ao momento em que começa a associar o movimento da geração à rasca com o outro.

      É verdade que em tempos de crise há muito descontentamento que poderá muitas vezes ser demagogicamente aproveitado. Vejo isto acontecer por parte de alguns políticos, e lamento sempre as críticas destrutivas em que se discorda de tudo, sem se dar alternativas viáveis ou soluções realistas aos problemas actuais. Tenho ouvido isto tanto dos partidos da esquerda como dos da direita. Lamento o facto de o PSD, sabendo que provavelmente muitas das decisões tomadas eram estritamente necessárias para garantir a alguma estabilidade e confiança aos mercados externos, estar sempre a atacar o governo, sem propor nenhuma alternativa a não ser as privatizações e emagrecimento do estado.

      Não me interpretem mal, para quem ainda não se cansou de ler o meu comentário, em termos económicos temos um estado demasiado “pesado” para o tamanho da nossa população, e há certamente um grande potencial ganho de eficiência. No entanto privatizar grande parte dos serviços públicos não me parecer ser a solução para a actual precariedade da geração em causa.

      Tenho muito mais para dizer mas em nota de conclusão, gostaria de acrescentar que lamento o facto de esta ser a música que nos vai representar no festival da Eurovisão. Acho que devemos tentar sempre passar uma imagem de Portugal e dos portugueses como gente trabalhadora, pagadora de impostos e responsável. Não sei bem qual será o impacto deste tipo de publicidade, em que se ataca o governo, exclamando que BASTA, quando o próprio governo é refém de uma situação económica externa.

      Não quero com isto desculpar o governo, mas por vezes seria bom que as pessoas entendessem que por mais que custe uma determinada decisão, ela é realmente necessária. Como se diz popularmente “o que arde, cura”.

      Houve imensos erros ao longo dos últimos 30 anos de governação e infelizmente hoje estamos a pagar por eles. Eu tenho esperança que o nosso povo terá capacidade de em conjunto com os seus irmãos europeus sair vitorioso desta batalha que não se prevê fácil.

      Eu pessoalmente decidi que em Portugal não teria as mesmas perspectivas do que no estrangeiro, e olhando para o mundo de uma forma mais globalizada, decidi sair para ganhar currículo, experiência e conhecimento de como as coisas funcionam pelo mundo, para que mais tarde possa voltar e ajudar o meu país.

      Espero que não me interpretem mal, mas as vezes temos que sair da nossa zona de conforto, aprender novas línguas, absorver outras culturas, para encontrarmos soluções para os nossos problemas. Foi o que fizemos no passado com os descobrimentos, foi o que fizemos na altura do Salazarismo e foram as remessas dos emigrantes que geraram grande parte das nossas reservas de ouro. No entanto espero que ao contrário da altura do Salazar, em que Portugal exportava mão-de-obra barata e de baixa qualificação, nesta altura exporte pessoas altamente qualificadas e competentes com perspectivas de salários à cima da média dos países onde decidem ficar.

      Boa sorte a todos.

  26. Joaquim Correia diz:

    Este comentador de facto é uma tristeza, nem se quer se dá ao trabalho de se preparar para os comentários que faz. Mal preparado e arrogante ainda por cima. É mais um dos opinion makers que temos que andam por aí preocupados com o protesto porque estão instalados com a sua vidinha e as suas influencias que lhes permitem ganhar a vida a diser qualquer m..da que lhe venha àcabeça, sem sequer se darem ao trabalho de se irem documentar. Qualquer coisa que agite as águas e que perspective mudança é mao para gente desta.

  27. Pingback: Tudo o que quer saber sobre as manifestações de 12 de março e não tem vergonha de perguntar | Aventar

  28. Alexandra Soares diz:

    O que mais e espanta no meio desta situação toda é que concerteza ainda PAGAM a este “Sr” pra fazer comentários… E se ele tivesse que viver na realidade da maioria da população? Quer sejam recém licencidos que têm o dito “trabalho escravo” ou sejam os “assalariados quinhentistas” ou qualquer outra precariedade que hoje impera e que pessoas como este “Sr” ou a outra “Sra” (directora de um jornal que fez um lamentável artigo contra a música dos Deolinda – “Que parva que sou!”) nem sequer conhecem. A estes “Srs” só digo: desçam do pedestal e tentem aterrar no nosso país, que infelizmente está em coma profundo… E à beira da morte.

  29. Cláudia diz:

    Bem, este Senhor é um balelas.
    Está a ver os Homens da Luta como humoristas e não como Portugueses que são, eles fazem humor, é verdade mas provaram que a maior parte do povo pensa como eles e que as coisas têm de mudar. Gosto muito da ideia de eles irem à Alemanha. Se é uma vergonha? É pois. Mas não é para eles nem para o povo, é para o estado em que estamos. Talvez assim a Luta resulte, mostrando a toda a Europa o estado em que Portugal está que até teve de ressuscitar as músicas de intervenção.

    Dia 12 eles estão lá e eu também vou estar. Porque não é com 2 pessoas que a Luta se faz, somos todos juntos.
    Bora para a rua!!

  30. ardf diz:

    sobre o MST, já escrevi tudo o tinha a escrever… leiam P.F em: http://brigadascinzacoelho.blogspot.com/2011/03/mst-e-os-homens-da-luta.html

  31. MST mostra, cada vez mais, que não tem sabedoria nem idoneidade para desempenhar o papel que lhe dão. Como diz Caetano Veloso, “pai e mãe, ouro de mina”.

  32. Paula Mendes diz:

    Fiquei deprimida com o que li. Sou integrante do Grupo 1 milhão e apoiante do Protesto da Geração. No Grupo 1 milhão ninguém tentou fazer colagens a ninguém. O que se pretendeu foi somente apoiar um protesto, com qual nos manifestamos solidários. Não foi só este comentador que fez colagens. A mesma coisa fizeram vários políticos, que classificaram grupo e protesto de “anti-democratas”, “niilistas”, “fascistas” e “perigosos”. Aliás a opinião do Miguel Sousa Tavares veio repetir a expressa pelo Dr. Mário Soares, palavra por palavra. É verdade que o Grupo 1 milhão pede a demissão de toda a classe politica. Isto expressa a ideia que não acreditamos no espectro politico que temos, nos políticos e partidos que fizeram parte e nos conduziram e ao país à situação actual. Isso não significa que sejamos contra os partidos (ainda que a Democracia ao contrário do que nos tentam impingir não se esgote nos partidos). Somos contra os políticos que nos conduziram ao que temos e consideramos como diria Einstein “Quem fez parte do problema não pode ser eficaz no encontro de uma solução”. Quando dizemos que somos contra a classe politica (numa generalização que vale o que vale, pois obviamente não se pode especificar), somos contra a corrupção, o clientelismo, a mentira, a falta de transparência, a troca de favores… que grassam na nossa classe politica.
    Quantos de vós se revêm nos partidos e políticos que temos? Quantos votam em branco, se abstêm ou votam sem convicção, no menor dos males? E quantos acreditam que no actual sistema, se forem criados outros não acabam corrompidos de igual modo? É isto a Democracia? É anti democrata quem não acredita nesta forma de exercer politica? Quem manifesta a sua opinião? O Grupo como a sociedade Portuguesa contem elementos de todos os géneros: de monárquicos a anarquistas, de extremistas a moderados, de filiados a independentes. O que os une é apenas um mote comum – a insatisfação. O Grupo não é contra a Democracia, é pela verdadeira Democracia, aquela em que os cidadãos se revêm nos políticos e nas instituições que os representam e lideram, que são e dão o exemplo aos cidadãos. O Grupo não é contra os partidos é contra a Partidocracia. O Grupo não é contra os políticos, é contra os políticos que fizeram parte dos problemas de Portugal ou a eles não se opuseram eficazmente, contra os políticos que em lugar de servir o pais, se servem dele. Se isto é antidemocratico, então é porque a democracia só serve aqueles que dela se servem. Os cidadãos (não uso povo porque me soa a conotações ideológicas e parece descrever uma massa iletrada que se move como cardumes) estão fartos de tanta incúria, impunidade e apatia. O Grupo mais não é do que uma das muitas manifestações da indignação de quem quer dizer BASTA!

    • Paula Mendes diz:

      Só acrescento que no dia 12 vou estar lá, como outros que acreditam que não é só uma geração à rasca, mas todo um país à rasca. Por solidariedade, imperativo de consciência…

      Pessoalmente duvido dos resultados práticos deste protesto, receio que morra na praia, com as inevitáveis medidas para calar bocas e a absorção de alguns dos elementos de charneira nas malhas dos partidos… Espero sinceramente estar enganada!

      Mas ainda assim não vai ser ESTE governo, nem ESTES partidos que vão inventar empregos e remunerações para uma faixa etária e conferir-lhes dignidade e esperança no futuro. Os jovens talvez tenham ainda a ingenuidade de acreditar nisso, que é convidando os partidos que os integram, mas ocorre o oposto… Foi este Governo e estes partidos que levaram a situação do país aonde está, é bom lembrar…

  33. nunocastro diz:

    qual é o movimento que vocês dizem que o MST vos está a associar e que vocês repudiam? É que nunca chegam a identificá-lo…

  34. A CHISPA ! diz:

    Manel (Tavares)
    Não são os direitos dos trabalhadores que quer REDUZIR A ZERO OU AO MINIMO,que são insustentáveis como diz, mas a TAXA DE LUCRO que os patrões (que LACAIOS como você, defendem)querem mantêr.

    Não são os trabalhadores das gerações mais antigas que são os responsáveis, pelo desemprego e pela precariedade que atinge os trabalhadores e em particular a juventude,mas sim a desregulamentação e a flexibilização das leis laborais,que decorre da própria lógica de desenvolvimento e concorrência existente no sistema económico capitalista, que cada vez mais se torna mais competitivo e incapaz de sustentar o emprego a todos os trabalhadores.

    Por acaso não é patrão?

    “achispavermelha.blogspot.com”
    A Chispa!

    • Antonio Almeida diz:

      Não sei se o “Manel” é patrão mas você deve ser empregado de certeza. E se calhar público.

      Já pensou em abrir uma empresa para poder empregar-se a si e dar emprego aos outros?

      Lutar pelo direito ao emprego é demagogia. Devemos é lutar pela obrigação de trabalhar (por quem fisicamente e mentalmente estiver apto).

      A relação empresa-emprego não é como a relação galinha-ovo (não se sabe quem surgiu primeiro).

      Para haver emprego, tem primeiro de haver empresas (a não ser que se defenda o Estado empregador… blahhhhh!). Se lutarmos pela obrigação de trabalhar em vez da demagógica luta pelo direito ao emprego, certamente não faltarão ideias / empreendedorismo /empresas para dar emprego.

      Este raciocinio não serve para defender a falta de respeito / legalidade e aproveitamento por parte de muitas entidades empregadoras face aos empregados, nem para chamar preguiçosos a estes últimos.

      Serve apenas para crescermos e nos desenvolvermos enquanto sociedade e país, que apesar de querer continuar a caminhar só com uma perna (seja ela a esquerda ou a direita) não quer abdicar do micro-ondas (importado), frigorifico (importado), carro na garagem (importado), férias pagas (pelos outros e de preferência no estrangeiro), telemovél (importado), etc.

      Não somos produtivos o suficiente para pagar este estilo de vida a que nos habituamos e os “especuladores” não irão continuar a “bancar-nos” o mesmo. (Talvez continuem enquanto tivermos o ouro que o infame Salazar amealhou para vender).

      Eu manifesto-me sim, pelo corte no desperdício do Estado (quem não está a fazer nada, para a “rua” fazer-se à vida – como eu e muitos fazem todos os dias sem subsidios e por conta própria) e pela obrigação de trabalhar por parte de todos os que podem fisica e mentalmente, entre outras alterações urgentes aos pilares da Justiça, Educação e Saúde.

      • José Cardoso diz:

        Que ouro, António ?

        Infelizmente, http://sic.sapo.pt/online/video/informacao/Reportagem+SIC/2011/2/corrida-ao-ouro-28-02-2011-95322.htm

        Está a sair dos nossos cofres enquanto lês esta resposta.

      • Armando B diz:

        Ó António, abriu a sua empresa e “dá” emprego a outros? Mas que equivocado você anda!… Você não dá nada aos seus empregados, eles é que lhe dão o seu trabalho, que lhe permitem ter lucros e não ir à falência, mantendo a sua empresinha, eles é que lhe dão os lucros para pagar a sua paparoca, o o seu popó, o seu micro-ondas importado, o seu negóciozito, etc., etc. Eles é que lhe permitem a sua vidinha e você ainda julga que é um benfeitor da humanidade? Olhe, era bom que trabalhassem de graça, não era? Mas por acaso você vende os produtos da sua empresa de graça? É que os empregados estão a vender-lhe a sua força de trabalho: e se você acha que o preço a pagar-lhe é uma merda, é justo que receba o que pagou: um trabalho de merda (pago a preço de merda).
        Irrita-me esta conversa de “eu sou um empresário, sou um benfeitor, dou trabalho!”…. Você não dá trabalho, você compra trabalho! Empresários portugueses da treta, que são os mais incompetentes e ignorantes da Europa!… (os poucos bons empresários portugueses pagam bem, sabia? E não defendem a precariedade do emprego, porque gostam de manter os bons empregados, a quem pagam bem, como é aliás a sua obrigação.
        Ei malta empregada ou candidata a emprego: e se TODOS recusassem os pagamentos da treta e as condições indignas dos beneméritos empresários? OU ELES MUDAVAM RADICALMENTE O DISCO OU FICAVAM SEM A EMPRESA QUE SEM TRABALHO DOS EMPREGADOS TINHA QUE FECHAR AS PORTAS NUM INSTANTINHO!
        Ah, e já agora: o meu consultório ´”dá trabalho” (para usar a sua expressão, porque eu não dou nada: compro e pago o que compro) a um recepcionista, duas assistentes, uma empregada de limpeza, e, ocasionalmente a um trolha, um canalizador, alguns técnicos de manutenção, aos gestores e empregados da Portugal Telecom, da EDP, da EPAL , de uma empresa de contabilidade, do Ministério das Finanças e provavelmente até a si, que montou a sua empresa ao abrigo de um plano de apoio qualquer que foi pago com os meus impostos e dos meus empregados! E não tenho nenhuma empresa! Pelo contrário, o que eu vendo no meu consultório é o meu trabalho! Ficou mais esclarecido sobre aquilo do ovo e da galinha/emprego e empresa?

  35. vimagape diz:

    Não me admiro daquilo que este Sr. diz, já o pai dele dizia coisas destas para defender o partido a que pertencia. (PS)

  36. Antonio Almeida diz:

    Tb fiquei muito desiludido / indignado com os comentários do MST. Por vezes revejo-me nas suas intervenções mas esta foi decididamente um fail arrogante e ignorante. Acho que fazem muito bem em pedir o direito do contraditório. A ver se o respeitam neste país “abalado”…

    Sou de 77, geração apelidada de rasca (e não à rasca) mas não creio que vá participar na manif.

    Pura e simplesmente não me revejo no manifesto que consiste apenas em protestar “porque as coisas estão mal”. O que adianta gritar que as coisas estão mal ou que queremos ter direito a isto ou aquilo?

    You Can’t Change By Demand!

    O que irá mudar tendo a manifestação por base:

    “… não podemos continuar a aceitar a situação precária para a qual fomos arrastados”

    QUAL É O CAMINHO APONTADO?

    “Protestamos para que todos os responsáveis pela nossa actual situação de incerteza – políticos, empregadores e nós mesmos – actuem em conjunto para uma alteração rápida desta realidade, que se tornou insustentável.”

    O QUE É PRECISO FAZER?

    “Protestamos por uma solução…”

    QUAL? O QUE É PRECISO MUDAR CONCRETAMENTE?

    Não quero parecer do contra ou instalado no sistema (não o sou, muito longe disso) mas este manifesto, à partida, é inofensivo. E acredito que a manif tb o será a não ser que alguns energúmenos decidam beber uns copos antes para depois partirem umas montras e incendiarem uns carros (como vêm no estrangeiro e como PT faz sempre o que se vê no estrangeiro…)

    Este manifesto não aponta nenhuma direcção diferente da que levamos agora e por isso fica a condizer com o PCP (que se colou) pois é tb um partido que de novo não apresenta nada. Só sabem dizer que não gostam de ervilhas mas não dizem o que querem realmente comer. O bloco idem aspas aspas e os outros são os lugares garantidos do sistema que estão sempre preocupados, sensibilizados com as “matérias” (palavra muito utilizada por esta geração rasca de políticos).

    Fazer barulho apenas para fazer barulho parece-me uma perda de tempo.

    Isto vai lá é com uns snipers nos edificios à frente da Assembleia da República e de outros lugares de caça.

    Deitem fora os cravos…

  37. manel diz:

    Porque que é que vivemos numa sociedade onde temos trabalhadores, muitos das gerações anteriores, com contratos para a vida e outros (jovens e não jovens) que ao conseguirem um “trabalho”, nos tempos actuais, não o têm ou não podem aspirar a tê-lo? – Compreendo que os contratos para a vida não são sustentáveis economicamente e, por isso, proponho que todos os contratos passem a ser iguais para todos mas que não descorem os direitos minimamente humanos (sub de natalidade, paternidade, doença, desemprego, férias, natal etc) mas com maior flexibilidade no desemprego. Assim continuariam empregados a maioria dos trabalhadores que fosse produtivo e sairiam os não produtivos para dar lugar aos outros. Garanto que assim haveria mais emprego e maior qualidade e produtividade em todas as profissões. Também acho que o montante salarial deveria estar de acordo com o desempenho real de cada um.

    • vasco diz:

      Caro Manel,
      o que defende em nada altera o que tem vindo a ser protagonizado ,bem pelo contrário.O que defende é o que esta gente quer fazer a todo o custo. Se defende isso o que tem que fazer é apoiar este governo e o do PSD que ai vem . O que defende é o caminho que eles querem a todo o custo trilhar. Tenho consciencia que existem maus trabalhadores, gente que não quer mesmo fazer nada, esses devem ser sinalizados. Mas esses não são a maioria. No estado , cada vez que há eleições entram milhares de militantes e familiares do partido que ganha.Mas no estado também existem bons trabalhadores,responsáveis e que ganham mal e são discriminados.Ao defender o que defende, defende a selvajaria, a mão de obra barata e o despedimento fácil em que basta ter um filho ou estar doente para ser despedida.Defende , o que já é uma realidade muito evidente , que as pessoas mais velhas devem ser despedidas para dar lugar aos mais novos, mais baratos. Não é asssim que se constroi uma sociedade.A sociedade precisa de todas as camadas, não apenas de uma. Combata mas é o desperdicio, a corrupção, o compadrio, as grandes reformas dos que nada fizeram e as magras dos que trabalharam uma vida.Os grandes beneficios da nossa classe politica,sobretudo dos partidos que têm passado pelo governo que chegam a privatizar empresas e a ir logo de seguida para as suas administrações e ainda levam logo reformas. As off-shores que nos levam a riquza, a não tributação de mais valias bolsistas etc. Sabe que, por exemplo na Madeira, se está a estourar o nosso dinheiro e da solidariedade numa obra faraonica que não vai resolver problema nenhum e apenas serve para dar dinheiro a empresas ligadas aos senhores do PSD da ilha? Isto é que é preciso combater.
      Paises como a Noruega têm legislações laborais muito mais apertads e funcionam. E o problema Portugês não passa só pelos politicos, passa pelo próprio povo, os politicos são o seu espelho.Somos egoistas.Vou lá estar mas, por uma verdadeira democracia, pela existencia de uma justiça que verdadeiramente funcione, pelo fim da corrupção e do compadrio, contra estes bandidos, mas não contra os mais novos ou os mais velhos, nunca a querer nivelar por baixo para ver se me safo.
      E olhe que trabalho no privado , tenho um ordenado justo e sempre que fui aumentado foi por ser convidado para trabalhar noutra empreas ou por méerito próprio , nunca por cunhas.E anida ssim faço greve se for necessário e vou a meanifestações se necessário, não apenas por mim mas pelos outros.

  38. manel diz:

    Não queremos ter todas as mordomias que a geração anterior teve (a que teve) – Já todos entendemos que foram todas essas mordomias e direitos (muitas vezes com poucos deveres) das geração anterior, que deixaram o país no estado em que está. Queremos é:
    1) Contratos dignos e não recibos verdes (que são a pior invenção de sempre e não protegem minimamente os supostos “trabalhadores” que os têm que passar);
    2) Queremos contratos normais com subsídio de Natal e Férias (enquanto existirem) e direitos a subsídio de natalidade, paternidade, doença e desemprego. É o mínimo que qualquer trabalhador deverá ter direito;
    3) Queremos que se acabem com os contratos para a vida que ainda existem. São esses que estrangulam os jovens, e não jovens, na obtenção de novos trabalhos. É também a possibilidade ainda se poderem contratualizar este tipo contratos, que impedem as empresas, em tempos de crise, de os fazerem (incluído as estatais – que na realidade tb já não os faz..)

  39. zegna diz:

    Como sabem a comunicação social é manipulada pelos grandes partidos politicos , a SIC é do Balsemão ou seja é o mesmo que dizer é do PSD , esta manisfestação puco ou nada vai adiantar , apenas se vai ouvir umas vozes que já todos sabemos o que eles querem , o governo nada vai fazer . Espero sim é que estes manifestantes vão votar nas proximas eleições é que nas ultimas deixaram-se ficar em casa e agora estão a chiar. O que Portugal precisa é o povo exerça o direito de voto e acabe com os 5 partidos que estão lá representados e escolhem os outros pequenos partidos , PS e PSD andam de mão dada com o grande patronato e com os bancos, quando esses partidos tiverem de abandonar o poleiro aí sim começou a revolução.

  40. JPFG diz:

    Ler esta caixa de comentários é uma profunda desilusão. Se até fiquei entusiasmado com a resposta dada pelo blog (apesar de considerar a descolagem ao outro movimento muito tardia), voltei novamente a desanimar bastante com a maioria dos comentários aqui existentes.

    Façam uma experiência: ponham-se na posição da opinião de um comentador da nossa praça, que para se informar sobre este movimento visita este blog. Digam-me lá com que impressão ele ficará ao ler que os comentários (isto é, uma parcela dos seguidores do movimento) que são muito deles próximos dos comentários dos tal manifesto com os quais o MST se equivocou.

    Acho que é uma oportunidade para demonstrar serenidade e calma, se existem pessoas que não percebem o manifesto, paciência, cada um é como é, e é assim que se vive na democracia. Não é preciso chamar nomes.

    Se os motivos do manifesto forem realmente os descritos no post, e se a descolagem for efectiva, então ele tem todo o meu apoio. Nesse caso, e só quando sentir que isso é real, é que garantirei a minha presença.

    Uma Abraço a todos, e que o nosso futuro seja melhor do que aquele que infelizmente perspectivamos,
    JPFG

  41. joaquim ponceano diz:

    na verdade os comentários desse individuo já metem nojo, fala assim porque lhe pagam princepescamente. mais, nem todos nasceram em berço feito como ele. reduza-se à sua insignificancia. Todos os que querem que o povo ande como sempre, pianinho, é porque tem os seus interesses instalados e não querem o que é necessário e evidente, outro 25ABR. Está na hora de acabar com o estado a que isto chegou!

  42. simao silva diz:

    ESSE SR É UM PA****** SO FALA ASSIM POQ O DINHEIRO LHE SOBRA NO BOLSO ! DEVIAS VIVER COM UM SALARIO MINIMO OU COM O FUNDO DE DESEMPREGO OH PORCO !
    nao é a linguagem mais apropriada a qe eu usei, mas é a verdade e eu nao tenho medo de a dizer na cara de qem qer qe seja !

  43. armando diz:

    A confusão está instalada porque parece haver dois movimentos:

    –um que pretende protestar contra a exclusão social que é a falta de trabalho e de trabalho com direitos, de perspectivas, de exploração desenfreada dos jovens, querendo alertar e chamar a atenção para a sua resolução;
    e outra que
    –coloca a tónica na luta política contra o sistema político (contra tudo e todos).

    Ora o contra todos os políticos e partidos é o que fazia o Salazar, o ditador que não permitia partidos nem discordâncias, nem manifestações que não fossem de apoio a ele mesmo, organizadas por ele e pela PIDE.

    Manifestar-se e afirmar discordância com o rumo das políticas são actos de cidadania que só a democracia admite.

    A democracia permite que os cidadãos se organizem em grupos, associações, movimentos e partidos para manifestar opiniões e propostas e até governarem, basta para isso que se organizem e conforme o caso, promovam manifestações, comícios, hapenings, ou concorram às eleições. Não há limites para a imaginação e para a ação.

    Os democratas que não concordam com algo, discutem, associam-se, agitam, difundem, manifestam-se e propõem as suas ideias e propõem-se fazer melhor a bem do povo ou da sua causa.

    Os outros, outros dizem mal de tudo, de todos, que é uma forma de descredibilizar a democracia, de apelar a alguém que —–“nunca erra nem se engana”, para governar sozinho, sem a ‘trapalhada’ de debates, de deputados, de partidos, de eleições, tudo MUITO, MUITO, CARO, pago por todos, como não fosse tudo pago por todos. A ditadura substitui os partidos e deputados, por polícias, bastonada, prisões, tortura, censura, e submissão ao senhor que sabe tudo. A ditadura não tinha partidos, mas a Assembleia Nacional, a mesma que agora se chama Assembleia da República, estava igualmente cheia, só que de deputados, eleitos igualmente em eleições forjadas, onde ganhavam sempre os mesmos, a Ação Nacional Popular, o partido da ditadura.

    Façam as contam e vejam o que custa mais.

    O protesto faz TODO o sentido mas têm de clarificar os objectivos e demarcar-se daqueles demagogos que dizem que a democracia é cara e que tudo estaria bem se não houvessem deputados, partidos, eleições, ou se os presidentes de câmara não tivessem motoristas (dispensava-se).

    • JPFG diz:

      Bravo, adorei o seu comentário. Concordo plenamente.

      E digo mais: este movimento já deveria ter-se demarcado logo à partida com o outro movimento demagogo, e de forma categórica.
      No entanto deixou enrolar, e fica a ideia de que existe uma certa colagem, que agora é muito difícil de tirar.

  44. É preciso que todos estejam conscientes de que este protesto é apartidário, laico e pacifico, se algum membro ou dirigente de algum partido politico participar nele deverá ser como cidadão anónimo como todos os restantes participantes, espero que os dirigentes partidários tenham vergonha na cara e não tentem tirar aproveitamento politico desta manif.

    http://brigadascinzacoelho.blogspot.com/2011/03/crise-quando-nasce-nao-e-para-todos.html

    • armando diz:

      concordo que as participações de políticos (dirigentes) devam ser feitas a nível individual, de solidariedade, já que entre os partidários de todos os partidos há excluídos, (jovens e não jovens) do direito a obterem —através do seu contributo para a sociedade, o trabalho, uma retribuição que lhe permita viver com dignidade.

      **************
      Uma sugestão que deixo aos organizadores da manif é esta: se aparecerem dirigentes partidários, entregar-lhes para que eles assinem, um compromisso de que o seu partido votaria na AR qualquer proposta para acabar, por exemplo, com os FALSOS recibos verdes. Aproveitar a sua presença para vinculá-los a esse compromisso. Era ver depois, se são todos iguais e quem violava esse compromisso.
      Quem o fizesse, seria desmascarado pelo movimento.
      ******************

  45. AguiAzul diz:

    Depois de ter visto a entrevista do Dr Miguel Sousa Tavares, pessoa que até admiro muito pela sua frontalidade nos debates de ideias, desde há uns tempos que mais parece um dos tais bota-abaixistas que por ai andam, dos que estão contra tudo e todos, e que, sempre que qualquer mal lhe toca, aproveita logo o espaço televisivo para mandar recados pessoais e de interesse que só a ele dizem respeito, neste caso, quando o ouvi falar contra esta manifestação (geração à rasca) do dia 12 de Março, fiquei convicto, até prova em contrário, que este senhor estava com o coração nas mãos como quando nos acontece a dias da renovação do nosso contrato (mais um) laboral, ou seja, mais parecia um aflito com medo de perder o seu emprego, será que eu “conviccionei” correcto!?

  46. Ana P diz:

    Na medida em que a corrupção, o clientelismo e a demagogia aparentemente vencem, com o agravamento da crise (só para os mesmos de sempre, jovens e menos jovens!), os portugueses de bem devem estar preparados para a Idade da Moca que se espera ter início no próximo dia 12!

  47. Anónimo diz:

    um exemplo de como ir para a rua lutar ou protestar pode (sim!) fazer a diferença e ser o veículo da mudança:

    http://www.facebook.com/notes/pedro-pozas-terrados/los-ciudadanos-de-islandia-dan-una-lecci%C3%93n-al-mundo/10150117235782068

    (não sei se há algo traduzido para português sobre estes factos que se estão passando na Islândia e de que não se ouve falar por censura de todos os meios de comunicação social)

    • Teresa Faria diz:

      Até o Cavaco é a favor da GAR:
      “Foi especialmente a pensar nos jovens que decidi recandidatar-me à Presidência da República. A eles dediquei a vitória que os Portugueses me deram. Agora, no momento em que tomo posse como Presidente da República, faço um vibrante apelo aos jovens de Portugal: ajudem o vosso País!
      Façam ouvir a vossa voz. Este é o vosso tempo. Mostrem a todos que é possível viver num País mais justo e mais desenvolvido, com uma cultura cívica e política mais sadia, mais limpa, mais digna. Mostrem às outras gerações que não se acomodam nem se resignam.
      Sonhem mais alto, acreditem na esperança de um tempo melhor. Acreditem em Portugal, porque esta é a vossa terra. É aqui que temos de construir um País à altura das nossas ambições. Estou certo de que, todos juntos, iremos vencer” in Discurso de Cavaco Silva – Tomada de posse .

      • vasco diz:

        Mas o cavaco caiu agora do Céu? não tem responsabilidade nenhuma?Fala do mar , quando vendeu o mar e afrota pesqueira,fala da agricultura quando a vendeu ao desbarato, até a ponte sobre o tejo vendeu e o seu ministro preferido foi logo a seguir para presidente do conselho de administração.

    • vasco diz:

      A Islandia é um grande exemplo de como se pode dar a volta à situação. as manifestações de rua são importantes mas o voto é fundamental. E a coragem de agir em função das pessoas e não de grupos económicos. Falavam tanto da islandia mas agora não convem. Porque será?

  48. Pingback: Nada x Nada = Nada | Palmier

  49. Bruno diz:

    Em ditadura vive os partidos políticos deste país, pois quem tem a coragem de contestar contra os seus pares, é posto de parte, abafado, afastado, é corrido do seu partido.
    É ASSIM EM TODOS OS PARTIDOS POLITICOS.
    E o MST sabe disso, e pelos vistos defensor desse sistema.

    • armando diz:

      é verdade, é mais ou menos assim, eu conheço isso. A questão é, se os partidos não servem, faz-se o quê? qual é o outro sistema alternativo? na Líbia não há partidos, só comités revolucionários, é isso?

      O problema é dos partidos, de alguns, de todos? e porque não criar outro que não funcione assim?

      será que esta geração mais informada tem capacidade para sugerir outro sistema, sem partidos? porque esperam? ou estão à espera de que sejam os partidos que dizem não gostar e que são culpados, a arranjarem a solução?

      No passado foram as lutas que geraram soluções, estas, as que temos, porque não gerar outras soluções?

    • armando diz:

      é verdade, é mais ou menos assim, eu conheço isso. A questão é, se os partidos não servem, faz-se o quê? qual é o outro sistema alternativo? na Líbia não há partidos, só comités revolucionários, é isso?

      O problema é dos partidos, de alguns, de todos? e porque não criar outro que não funcione assim?

      será que esta geração mais informada tem capacidade para sugerir outro sistema, sem partidos? porque esperam? ou estão à espera de que sejam os partidos que dizem não gostar e que são culpados, a arranjarem a solução?

      No passado foram as lutas que geraram soluções, estas, as que temos, porque não gerar outras soluções? porque estão à espera?

      ou será que estavam à espera de um lugar ao sol oferecido de bandeja?

      o alheamento da política dá nisto, se não somos nós a defender o que temos e a conquistar o que queremos, o nosso lugar na sociedade, são os instalados que ditam as regras. Acordaram para a política?

      • hélio búzio diz:

        armando e tu ? falas como se tivesses á parte do que se passa está tudo bem para ti? eu acredito que o nosso modelo de democracia esta falido sim, esta falido porque temos uma “democracia” que so quer o povo para legitimar um role de gente que os partidos escolhem e quem escolhe esse role são as pessoas que vivem a custa desses mesmo partidos . depois nós temos de escolher entre o ruim e o pior de 4 em 4 anos ou de 5 em 5 dependo da eleição, isto para ti está certo? olha para o pais que tens e diz-me se está. Este sistema so origina uma serie de esquemas e negociatas a custa de todos e os casos estao todos os dias nas paginas dos jornais, tem de haver responzabilização de quem governa desde dos mais altos governates até ao poder local. E ja estou a divagar… Se disseres que a responsabilidade de tornar este modelo mais eficiente é nossa(jovens) estas errado é de TODOS, vamos todos trabalhar para um futuro melhor, que de costas voltadas uns para os outros vamos continuar a ir no pior caminho.
        (e sim eu li o teu último paragrafo so quero mesmo saber se tu és daqueles que so vem atiçar os animos ou se vais para a rua no dia 12 de março).

      • armando diz:

        hélio búzio,

        eu falo por aqueles que lutam todos os dias, ainda que os partidos sejam o que são.
        Os partidos são organizações humanas, com todas as virtudes e defeitos da obra humana.

        Há organizações perfeitas? onde? e quais?

        Se não se luta nos sindicatos, nos partidos, em movimentos de utentes ou organizando manifestações como esta, mesmo que só para protestar, o mundo caminhará inexoravelmente para a barbárie, para a lei do mais forte.

        A democracia exige que haja regulação, que seja limitada o uso da força contra o mais fraco, a imposição de mínimos (direitos) para que a dignidade humana seja respeitada. A regulação precisa de organismos para a exercer, para que sejam expostos os interesses contrários e que a vontade da maioria decida quais os valores que prevalecem e respeitam os valores mais altos (direitos humanos, etc.).

        A democracia é um edifício de valores e de organizações/instituições para fazer a regulação de valores e interesses: eleições livres, partidos, parlamento, tribunais, sindicatos, imprensa,direitos das minorias, direitos do homem, etc.

        A democracia é foleira, é imperfeita, e é-o porque para ser boa, necessita de democratas, ou seja, de pessoas que pratiquem a democracia, que participem nas eleições e que o façam escolhendo os programas e os políticos que defendem o bem comum e não o seu bem; participando nos seus sindicatos para que estes defendam os interesses de quem necessita de trabalho digno e não esteja à mercê do arbítrio dos patrões,
        que discutam os problemas da sociedade onde vivem e proponham soluções, que criem partidos à volta dessas ideias e as sufraguem (proponham aos seus concidadãos para que eles as assumam ou rejeitem), que se eleitos as defendam no parlamento e assim tentem convencer os demais representantes eleitos a transformar as ideias em leis; que recorram ao tribunal se entenderem que estão a ser prejudicados face ao que a lei consagrou como interesse colectivo ou individual.

        Estamos de acordo que isto é muito complicado, muito confuso, muito difícil e demorado e sobretudo de resultado muito incerto, não é compatível com a urgência de quem não tem emprego e que não tem por certo a próxima refeição.

        Pois, a democracia é o terreno de quem tem o estômago cheio e se pode dar ao ‘luxo’ de ter pensamentos, ideias, de ir a reuniões, de ter de se confrontar com ideias diferentes, quiçá contrárias, e de prosseguir esse caminho vezes sem conta, da empresa ou bairro até à junta de freguesia, no interior do partido, de ir de cidade em cidade, ir a votos em cada um desses sítios, ter êxitos nalgumas iniciativas e derrotas noutras ou em todas.

        Como é difícil a democracia!! como são chatos os partidos e as reuniões e assembleias, as greves e até as manifestações!!

        Como é fácil a NET e o ‘facebook’, não se pode fazer uma manifestação numa praça virtual e irmos lá todos(as)? isso não tem força de lei?

        pois, ainda não. Esse sistema tem de ser inventado! mãos à obra e desejos de sucesso.

        Enquanto isso, é preciso deixar o quentinho e ir apanhar chuva se chover, deixar tudo para dizer o que nos vai na alma e esperar que alguém nos ouça, que alguém com PODER, alguém legitimado pelo voto, decida ouvir-nos, decida dar-nos razão
        e alterar o que houver de alterar, para que ninguém deixe de ter dignidade.

        Logo se verá se são todos iguais, então o caminho é penalizar eleitoralmente aqueles que se revelem defensores do que rejeitamos.

        Se a resposta de nenhum deles nos agrada, a alternativa é fazer um partido ou movimento e levar ao parlamento a exigência de trabalho para todos e todas.

        O Sr. Coelho da Madeira deu esse exemplo de humildade e de democracia, recolheu 7.500 assinaturas só na Madeira e foi à —LUTA com alegria.
        Não se refugiou na dificuldade da política para justificar o seu atavismo, a sua
        passividade, o seu demissionismo, NÃO VOTOU EM BRANCO!!

        REUNIU IDEIAS, CRÍTICAS, APOIOS, DESAFIOU PODEROSOS, EXPÔS-SE AOS PORTUGUESES E AO SEU JULGAMENTO.

        A DEMOCRACIA, OS DEMOCRATAS PAGARAM AO SR. COELHO ESSA OUSADIA, PAGARAM-LHE TODOS OS GASTOS, OU ELE NÃO TERIA NUNCA A POSSIBILIDADE DE O TER FEITO.

        NISSO O SISTEMA DEMOCRÁTICO É ÚNICO NA SUA IMPERFEIÇÃO!

        O sistema democrático português não tem 40 anos, foi construído pelos portugueses, não é cópia de nenhum outro, tem naturalmente ‘buracos’ por onde alguns falsos democratas e pessoas sem escrúpulos éticos tiram vantagem.

        Temos de melhorar, de aperfeiçoar, de reinventar a nossa democracia, as novas gerações têm naturalmente de dar o seu contributo, é o seu futuro que estarão a construir.

        Os tempos de crise são tempos de reflexão mas também de demagogia, cabe-nos escolher o caminho e o meu é o de aproveitar para cortar o caminho a quem se aproveita das benesses e privilégios ilegítimos que o sistema político manteve do passado, do tempo que ser político era ser importante (no sentido de rico), era ter poder de ‘fazer e desfazer’.

        No 25 de Abril era um jovem, tinha 15 anos e trabalhava há 15 dias (não por opção apesar de ter sido eu a procurar emprego).
        Daí para cá não parei de lutar, a democracia não admite o ‘LUXO’ da desistência, um desistente é um derrotado.

        Não sou um jovem, estou empregado e estou ameaçado como todos os portugueses, do desemprego, de não ter um serviço de saúde ao alcance da minha bolsa, de trabalhar até morrer ou, de não ter uma reforma digna apesar de ter trabalhado (se aí chegar) 50 anos de trabalho e de desconto para que isso fosse possível.

        POSSO EU LÁ DEIXAR DE ESTAR PREOCUPADO COM O RUMO QUE ESTE GOVERNO ESTÁ A ARQUITETAR PARA O NOSSO FUTURO.

        POSSO EU LÁ FICAR EM CASA DESCANSADO.
        NO DIA 12 DE MARÇO SOMOS TODOS “GERAÇÃO Á RASCA”.

  50. Luis Ferreira diz:

    A distorção que a imprensa e os comentadores estão a fazer é feita sempre em relação a qualquer contestação ou a qualquer adversário.
    Na Cimeira da Nato foi feita uma campanha infame contra a dissidência com proporções muito maiores da que estamos agora a assistir. Esta é a prática comum.
    O manifesto da Geração à Rasca afirma, “Nós, que até agora compactuámos com esta condição,” numa espécie de alerta para muitos neste país. Esta é uma boa oportunidade para todos aqueles que se revejam nesta descrição do manifesto tomarem consciência de como são feitas as coisas e de como a propaganda actua. Seja contra sindicalistas, anarquistas, imigrantes, manifestações espontâneas, ciganos, ou quem quer que não se enquadre no padrão ou levante a voz em sinal de discordância.

  51. madridstorm diz:

    Amigos

    Por mais que não queiram, a vossa luta está indubitavelmente associada ás aspirações que todos os portugueses têm, mas que á boa maneira portuguesa entronca no chavão “alguém há de resolver por mim” ou o do “desde que o meu barco vá andando…”, até ao dia. A deolinda é que os define bem🙂.
    Não estranhem, e até pelo contrário rigozijem-se com a desinformação que possam sofrer. Sinal dos poderes instalados, que já tremem. Contra isto um combate acérrimo, porque pior ainda está para vir. Ah e não contem com a comunicação social.
    Comunicação social? Qual? Onde? Cá?.
    Não existe comunicação social. Existe sim Desinformação Social, ou melhor, Manipulação Social, e tem sido sempre este o seu papel destes desde sempre, com o nosso apoio, porque pensar custa. Por isso estamos como estamos.
    Estou lá, e iremos estar todos, lá estar. E sabem que mais? Estou farto do politicamente correcto. A ruptura com o a classe politica que move a geração á rasca, não é o PS, PSD, CDS, SÃO TODOS. Vamos quebrar com as cadeias de corrupção já criadas, e alimentadas por estes “Opinion Makers” á la carte, que de pataniscas de bcalhau até aos confins do universo, é a sua panóplia do seu sublime e verdadeiro conhecimento. “Opinion Makers” para que a sua exstência? Pensar por nós? Sim, sim, este senhor tem razão? è para isto que servem? Estes são os que defemdem os grandes interesses dos lobbies que move este pais. Não os deixem pensar por nós. Acordai portugueses, que alvorada está próxima.

  52. julio diz:

    MIGUEL SOUSA TAVAVARES = DESINFORMAÇAO= MANIPULAÇAO= BURRO= LOBBIES= SIC = INGNORANTE= FALA MUITO FAZ POUCO = SABE TUDO MAS NAO QUER FAZER NADA.
    EStes comentadores ignorantes que falam do que nao sabem sao o que o nosso telejornal apresenta aos seu espectadores, este senhor que sabe tudo ainda nao o vi mover um braço para corrigir a situaçao do pais, falar é facil qualquer um o faz , agir ja sao poucos os que tem coragem, este sr. prefere esconder se atraz duma camera do que fazer qualquer coisa pelo pais. mas será que alguem ainda presta atençao ao que este senhor diz?

  53. julio diz:

    Este senhor tem lobbies instalados e interesses politicos por isso é que ~fala desta maneira, o telejornal da SIC é dos mais manipuladores e tendenciosos que ja vi, eu pessoalmente deixei de ver o telejornal da SIC ha muito tempo, é tudo menos informaçao.. gostam de iludir as pessoas com falsas noticias e com comentadores bem ao estilo da informaçao manipulada. a SIC e o EXpresso sao uma vergonha, basta serem de um antigo 1º ministro do PSD.

  54. Elisabete Ávila diz:

    «As coisas não se resolvem na rua.» e ainda « não é a canção adequada para representar Portugal na Alemanha…os contribuintes alemães não nos vão emprestar dinheiro.»

    Para estas afirmações de Miguel Sousa Tavares, só tenho uma coisa a dizer – “Milagre de Leipzig”.
    Em Leipzig, foi dado o primeiro passo decisivo para a revolução pacífica que ocorreu na ex-Alemanha Oriental.
    Exactamente um mês antes da queda do muro de Berlim, que se deu em 9 de Outubro de 1989, aconteceram em Leipzig as até então maiores manifestações populares espontâneas da Alemanha Oriental. Que reuniram nas ruas da cidade 70 mil pessoas – uma multidão que gritava – «Nós somos o povo» – e contra a qual o partido SED não podia fazer nada.
    A inspiração popular venceu, vence sempre, porque é aquela que está mais próxima da verdade.
    EU VOU!

  55. Pingback: Exercício do Direito de Resposta – SIC | Manuscritos Digitais

  56. Porta 10A diz:

    A Sic é asquerosa, tal como a nojenta comunicação social que temos, condiz bem com a classe política.

    Miguel Sousa Tavares é um fidalgo deste sistema. São aos milhares. Boys e fidalgos. Há dinheiro e tachos para todos.

    E isto não vai lá com miminhos.

    • Marta Dias diz:

      É isso mesmo.
      O que mais chateia são os Portugueses verem estes “pseudo-coisas”a retirar o dinheirinho todo ao povinho e ainda ser filho de uma das melhores Senhoras que tivemos em Portugal. Se tivesse consideração pela sua mãe deveria estar caladinho até ao fim da sua vida. Tenho dito.

  57. Pingback: Geração à Rasca II « Bem Comum

  58. Pingback: Top Posts — WordPress.com

  59. André diz:

    Mas desde quando a comunicação social em Portugal faz uma pesquisa sobre o que quer que seja antes de lançar a notícia? São poucos e cada vez menos aqueles que se dignam a apurar todos os factos ao invés de se basear apenas e solenemente no ‘feed’ generalista que a redacção recebe diariamente das inúmeras “fábricas de conteúdos” que existem.

    Em relação ao senhor Miguel Sousa Tavares, fala muito, e faz pouco, destes temos para dar e vender!

  60. Elisabete Ávila diz:

    OS ERROS HISTÓRICOS DE MST.

    «Não foi a rua que libertou os escravos, foi a Imperatriz Leopoldina no palácio real…», não Miguel, foi a Princesa Isabel, (neta da Imperatriz Leopoldina), no dia 13 de maio de 1888. E o movimento popular abolicionista ajudou muito.

    «As coisas não se resolvem na rua…», continua o comentador da SIC, e eu pergunto – se assim é, tudo o que aprendemos e ouvimos sobre o 25 de abril é mentira?

    • Ana Beatriz diz:

      Concordo..🙂
      Ele quer a Leopoldina do mundo encantado dos brinquedos😉
      é caso para dizer “VOCES SABEM LÁÁÁ…”
      falam falam e eu nao os vejo a fazer nada!!

  61. Diogo diz:

    Achei delicioso os Homens da Luta terem divulgado há poucas horas uma foto de Francisco Sousa Tavares, pai do Miguel “ressabiado com cara de todos me devem e ninguém me paga” Sousa Tavares, de megafone na mão no Largo do Carmo em pleno 25 de Abril de 1974!
    Miguel Sousa Tavares é uma FRAUDE INTELECTUAL e um DEMAGOGO!!
    Diz que leu tantos livros mas está visto que nunca consultou um dicionário para saber o significado de demagogo!! É UM HIPÓCRITA E UMA OFENSA À IMAGEM DOS PAIS!!

  62. IB diz:

    Apoio e estarei no protesto…

  63. IB diz:

    Mais um senhor que perdeu uma excelente oportunidade para estar calado…

  64. Frederico diz:

    Desde já quero dizer que o senhor Manuel Sousa Tavares é uma pessoa que infelizmente fala do que não sabe como se fossem dados oficiais( um exemplo foi falar sobre a lei dos cães potencialmente perigosos e dizer que pessoas com pitbulls e dobermans eram todas malucas, tendo em conta que dobermans nem são uma raça que faz parte da lista emitida pelo governo, mas isto é um aparte).

    Acho é vergonhoso andarem a falar de Salazar e estados novos tendo em conta que as liberdades individuais cada vez estão mais em risco com as novas medidas governamentais. Mas o que me envergonha ainda mais é essa pessoa estar tão bem na vida, posto, cargo, etc., que nem se dá ao trabalho de pensar bem nas suas palavras que fale sempre de boca cheia sem cabeça nenhuma.

  65. Pingback: Contra o social-situacionismo… | Mãos Visíveis

  66. A CHISPA ! diz:

    Muitos mais comentadores reaccionários e lacaios da burguesia capitalista e do capitalismo irão tentar denegrir a vossa iniciativa, só têm que responder com mais mobilizações e manifestações até que os objectivos propostos no vosso Manifesto, sejam plenamente alcançados.

    O nosso Blog “A Chispa!” apoia e fez um texto de apoio à vossa (nossa) luta.

    Viva a vossa iniciativa!
    A Chispa!

  67. Mario diz:

    No mesmo erro de MST caiu o Mário Soares neste artigo:
    http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=1795672&seccao=M%E1rio%20Soares&tag=Opini%E3o%20-%20Em%20Foco&page=4

    Acho que deveriam fazer exactamente o mesmo e exigir o Direito de Resposta no DN, na mesma página e com o mesmo destaque do dito artigo. Basta de desinformação. E se não forem vocês a exigir o esclarecimento dos vossos (e nossos) propósitos, a desinformação continua. Basta ver o que aconteceu no Prós e Contras, em que se falou de tudo menos do que move esta manifestação.

    Coragem! No sábado lá estaremos! Aos milhares!

  68. Pingback: Miguel a brincar às leopoldinas | Aventar

  69. Arrebenta diz:

    Vocês ainda não perceberam quem é o Miguel Sousa Tavares, o que representa, e, sobretudo, os esqueletos que têm guardados no armário. Seria interessante começar por esses, mas pode ser que o vosso movimento finalmente o permita.
    Iriam ser precisas décadas para os digerir🙂

  70. Zé Povinho diz:

    Acho que Miguel Tavares tanto dá uma no cravo como outra na ferradura. Creio que todos os receios são legítimos quando o futuro é incerto. Por isso devemos manter os olhos bem abertos pois no meio dos cordeiros hão de estar alguns lobos esfaimados. Mas creio que esta geração não está só e há muita gente descontente com o rumo que este país tem vindo a tomar. Todos sabemos que a maior demagogia não é pertença do povo; O povo só decidiu vir para a rua protestar contra quem o oprime e vive à sua custa.

  71. Ricardo Freitas diz:

    A desinformação é muita. Aqui também http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=1800275&seccao=Ferreira. É um artigo de opinião, mas distorce da mesma forma o que é factual, também merecia resposta.

  72. João G diz:

    Tenho visto imensas criticas negativas (Isabel Stilwell, Mário Soares, Miguel Sousa Tavares e outros) ao vosso movimento e à manifestação de dia 12. Curiosamente todos esses “comentadores do regime” que se advogam especialistas em tudo, demonstraram grande ignorância ao comentar e dar opiniões sem sequer se informarem minimamente sobre aquilo que estavam a analisar. Curiosamente todos eles estão bem instalados no sistema que agora é criticado. Nenhum deles vive com 500 euros, nenhum deles trabalha a recibos verdes, nenhum deles trabalha para empresas de trabalho temporário, nenhum deles é estagiário não-remunerado. Não se deixem abater por essas bocas daqueles que vivem tão bem à conta do actual estado das coisas. Claro que deles não podia vir grande coisa, esta manifestação é dos quinhentoseuristas, dos recibos verdes, dos licenciados nos call-centers, dos desempregados, é a estes que se quer dar voz! Não é aos comentadores habituais do regime, nem dos partidos políticos acomodados. Que esta iniciativa tenha provocado tantas reacções nervosas dos acomodados no actual sistema, demonstra bem a sua importância. Os lacaios do sistema estão nervosos? ainda bem! Se a manifestação não incomodasse ninguém era inútil. Parabéns aos criadores da iniciativa! Dia 12 lá estarei!

  73. Vasco R diz:

    Repararam no lábio desdenhoso em posição de nojo pelo que falava?
    Fantástico.
    Adiante, ele tem razão nalgumas coisas. A acontecer alguma coisa, pode vir algo semelhante a uma ditadura. Mas como o movimento não tem cariz política (ou assim o dizem, começo a duvidar com a palhaçada que se viu com o “protesto contra Sócrates”), nada há a recear.

    Insisto com o que já disse anteriormente. Não parem pelo protesto. Associem-se, juntem os estudantes em actividades activistas. Nada muda com um só protesto. É preciso muito mais.

  74. fraktal diz:

    vergonhoso como um movimento genuíno é “canibalizado” por uns e “ajavardado” por outros. infelizmente este tipo de situações conjugadas – má comunicação social + opinion makers ressaibiados – é um cocktail mal cheiroso que apela ao espírito de luta e bravura dos que tentam afrontar os rabos instralados do Portugal Sentado.

    À Liberdade

  75. JS diz:

    O Miguel Sousa Tavares nao sabe o que é nascer pobre ou numa classe média baixa e crescer com estudos e a espera que o seu País cumpra a sua constituição. O MST nasceu rico e cheio de oportunidades simplesmente dadas! Não sabe o significado da palavra lutar no dia a dia por uma vida melhor, por um emprego melhor, por uma sociedade melhor! Ele sabe é ser pago para falar, recebe num programa o que a maioria não recebe por um emprego para o qual estudou!
    Não dêem destaque a quem não merece.
    Vamos para a luta jovens!

  76. P d C Barreto diz:

    Caríssimos:

    Continuo a acreditar que fariam vocês bem em concretizar ao máximo as vossas / nossas reivindicações para impedir este tipo de abusos e «distracções». Haverá sempre super-entusiastas e cínicos, malta ultra-voluntarista que faz o que não deve e compromete as estratégias longamente pensadas e outra gente mais sinistra a quem só interessa a hipótese demagógica, populista mas totalitária de um movimento «democrático» anti-partidos; haverá sempre anjinhos ingénuos e sacanas infiltrados. por isso convido-vos a clarificarem os vossos pontos de discórdia e até a avançarem propostas concretas:

    Um exemplo: O Caso dos Recibos Verdes

    «Somos contra a continuidade legal dos recibos verdes que foram desenhados para as profissões-liberais e hoje são os directos responsáveis pelo subemprego e emprego precário, nem sequer contratualizado a termo certo, de mais de 50 mil portugueses.

    e se quiserem acrescentem algo como:

    «Propomos a proibição pura e simples dos recibos verdes, a criação de uma lista descritiva das profissões passíveis de serem consideradas «liberais» bem como de um tecto mínimo de rendimentos no IRS para que esses profissionais possam passar esses recibos. Propomos que os restantes vínculos de trabalho sejam contratualizados a termo certo de duração mínima de um ano, renovável automaticamente pelo dobro do período do primeiro contrato [2+1= 3]. Propomos que o contrato possa ser denunciado por uma só das partes mas com antecedência obrigatória de aviso de despedimento ou não-renovação do contrato de seis meses no primeiro ano e de um ano no segundo contrato. Após o segundo contrato, todos os contratos a termo terão a duração de dois anos renovados automaticamente. Após a data de cessação do segundo contrato a denúncia do terceiro e seguintes contratos terá de ser obrigatoriamente acordada por ambas as partes ou, em caso de desacordo insanável, em condições a definir em diploma próprio, deverá proceder-se às respectivas indemnizações, de acordo com o entretanto revisto código de indemnizações laborais (válido quer para a entidade empregadora quer para o sujeito empregue).

    Quanto ao primeiro recibo verde do primeiro emprego de um profissional liberal (antes de existir declaração de IRS, portanto) deve ser emitida uma nota de facturação do serviço prestado com o selo branco das finanças (que assim ficam a saber da transacção e a registam) e o emissor do recibo verde tem seis meses após a sua primeira declaração de IRS em valor acima do tecto mínimo permitido por lei para emitir recibos verdes, para emitir o(s) recibo(s) em falta. Ao Cliente é disponibilizado um duplicado da nota de facturação que será a seu tempo substituída por duplicado do respectivo recibo verde e que tem validade para contabilização das suas despesas profissionais, em sede de IRS».

    Só assim, preto no branco vos irão levar a sério e vos saberão distinguir dos impostores.

    Outro Exemplo:

    Somos a favor de contribuições para a Segurança Social retidas na fonte e fixadas no próprio recibo [verde ou não] em percentagem nunca superior a 7% do total de valor recebido. Isto é, uma segurança social paga como o IVA, e retida na fonte como o IRS e isto só para as profissões liberais… As outras teriam contratos e segurança social retida na fonte. Os empregadores teriam que passar mensalmente um comprovativo em triplicado de retenção na fonte das contribuições para a Segurança Social. Eles ficariam com o triplicado, a pessoa empregue levaria o seu duplicado à segurança social todos os meses e ficaria com o original em casa por um período nunca inferior a cinco anos.

    Ete tipo de propostas são discutíveis, é certo, mas vocês têm que ter algo que apresentem como moeda de troca para negociação, senão os eleitores vão olhar para vocês e achar que são do bota-abaixo. Ora isso é precisamente o que se quer evitar se queremos ter gerações mais reivindicativas e para levar a sério, capazes de dar lições de civilidade e cidadania aos instalados do costume.

    Os exemplos acima valem o que valem mas percebe-se assim melhor o que eu queria dizer.

    Um abraço solidário
    e vemo-nos no dia 12, na e em Liberdade…

    P d C Barreto

  77. Pingback: Protesto que não era bem da “Geração à Rasca” « (in)directas

  78. é que é tão COMENTADOR que apresenta duas saídas possíveis.. A que já existe e outra a que ninguém apela. Nunca ouvi um jovem desempregado dizer “quero que a classe política se desintegre. Quero que indivíduo/líder/”demagogo” xis governe.”

    Parte também irracional e nada filantropo princípio que.. “só quem percebe imenso de política e só quem está dentro da política.. e quem se associa ou faz parte dum partido político tem poder de expressão”, quando nem sempre é fundamental perceber a 100% da coisa, basta sentir que essa coisa está mal, basta sentir que essa coisa nos prejudica gravemente e, claro se houver algum “deolindo” que possa defender e construir um caminho alternativo positivo, melhor.

    A classe dos betos, essa, não apresenta qualquer solução.

  79. Então é melhor dar para este peditório actual: a demagogia do sistema financeiro neoliberal, com conivência dos governos, de modo a manter a estratificação escravizante da sociedade.
    Só comentadores burgueses, de classe alta e média-alta, é que levantam a bandeira da demagogia quando sentem que a sua confortável cadeira de privilégios trepida com a contestação.
    Logicamente que o risco iminente que existe é a ressurreição de ditaduras, mas é precisamente contra esse risco que estes movimentos surgem: têm o objectivo de amenizar as fracturas sociais para que não surjam fontes de incentivo a modelos ditatoriais.

  80. Paulo César diz:

    Só uma palavra para o Sr. Miguel Sousa Tavares. DEMOCRACIA!!!!!

    O povo votou e apoiou quem acha que pode mostrar o que muitos querem esconder, um grito de revolta, para dizer BASTA, pensem nas pessoas, pensem no ser humano, não pensem só em lucros, em dinheiro, e prestar vassalagem aso grandes grupos económicos nacionais e internacionais, o poder é algo que seduz muitos, e quando chegam ao poder, parece que ficam alucinados e esquecem tudo o que disseram e prometeram ao povo, parece que são absorvidos pela conjuntura que está no poder, uma voz não basta, são precisas muitas mais, e eu digo e grito, VIVA O POVO, VIVA A LUTA, BASTA DE DEMÊNCIA POLÍTICA!!!!!!

    P.S. – para alguns posso não me saber expressar da melhor forma, mas é a minha opinião e minha forma de mostrar desagrado pela situação deste país, e das pessoas que o governam, não me revejo em nenhum partido político, é uma vergonha o que se passa no parlamento português que em nada decide sobre o país, decide sim, o que é melhor para eles que lá andam para melhor servir os interesses de todos naquele circo.

  81. Isto é típico do Miguel Sousa Tavares, não é a primeira vez que faz comentários em que são ditas mentiras, que no mínimo demonstram falta de preparação dos mesmos comentários, como foi o caso de quando confundiu a declaração de independência dos EUA, com a Constituição dos EUA, só me custa entender como é que os órgãos de comunicação ainda dão tempo de antena a estes pseudo comentadores.

    http://brigadascinzacoelho.blogspot.com/2011/03/crise-quando-nasce-nao-e-para-todos.html

    • Bloga cinza coelho..

      não é novidade.. a comunicação social é mestre em promover quem e o que não devia. Daó muita gente programar o que quer ver utilizando a internet. Da tv já não se aprende nada e tudo que se possa ouvir é duvidoso.

  82. André Correia diz:

    Caríssimos, a partir do momento em que abriram a porta a organizações como o PCP (que de democrata nada tem), toda a gente se permite colar. Algumas pessoas, nas quais eu me incluo, tentaram alertar para este facto na página do protesto no Facebook, mas fomos apelidados de “Infiltrados”, entre outros epítetos.

    Boa sorte para a manifestação, de qualquer forma.

    Um abraço,
    André Correia

  83. Gil diz:

    Quero dar o meu apoio a vossa iniciativa, embora eu tenha 40 anos identifico-me mais com vocês do com os da minha geração.
    Identifico-me com todas as vossas ideias e tenho uma frase para elas.
    “Sem transparência não existe democracia.”
    E o que falta é transparência na Política portuguesa.
    Estou com vocês, e estarei na manifestação.
    Bem hajam a todos vocês.

  84. reb diz:

    Este comentador tem por hábito falar de cor, sem se dar ao trabalho de se informar primeiro, o que seria o mínimo expectável de quem tem direito a tempo de antena em hora nobre da SIC.

    Como professora, senti-me várias vezes indignada com as MENTIRAS que afirma, naquele tom categórico que o caracteriza.
    Tem tido o privilégio da impunidade.
    Obrigada, Geração à Rasca, pela vossa atitude pronta.

    Por todas as razões, até por ter 2 filhas da vossa geração, estarei presente na vossa Manif de 12 de Março.

    Um abraço!

  85. Pingback: Pela Blogosfera – Protesto Da Geração À Rasca « A Educação do meu Umbigo

  86. Democrata diz:

    O Dr Sousa Tavares assim como muitos outros “comentadores e pseudo-analistas políticos e económicos” estão nervosos e a fazer um frete ao poder instalado.
    Não falta muito vêem dizer que a razão da subida das taxas de juros dos empréstimos da República Portuguesa, o afastamento de investidores e criadores de emprego “”qualificado”” a 500 €/mês, o desaparecimento de turistas e tudo de mau que acontece no país se deve aos jovens da “”Geração à Rasca”” estarem de forma democrática a exercerem o seu direito de expressão e de manifestação…..
    O ridículo do avençado do regime Sousa Tavares tem dois momentos altos nos últimos dias. No Jornal Expresso de Sábado passado o elogio de uma página à falida (económica e financeiramente) TAP ….. e a grande preocupação com os Homens da Luta irem à Alemanha e irritarem os contribuintes alemães ….. são duas pérolas imperdiveís deste comentador de direita que foi para a SIC fazer um programa semanal mas que como não tinha audências foi despromovido a comentador semanal no Telejornal.

  87. Marota diz:

    Quantos cargos da Administração Pública são ocupados por pessoas nomeadas por confiança política? Quantos o serão por simples “doação” de lugares ou “compadrio”, por “cunhas” ou troca de favores? Sabe quanto isto pode custar ao país? Sabe avaliar a desmotivação de pessoal competente por ser afastado desses postos de trabalho? Sabe quanto custa uma administração pública infestada de boys?Sabe quanto custa em ineficiência, por exemplo, a mudança de todos (ou quase todos) os Directores Gerais sempre que muda um governo? Nem ao menos calcula?
    Assine esta petição (está mesmo aqui à mão…) pela legalidade e transparência no acesso ao emprego na função pública. Acredita que assinar uma petição é, no mínimo, dizer não. E… quem se cala, ou consente também conta com essa gente…

    http://www.peticaopublica.com/PeticaoListaSignatarios.aspx?pi=ARTIGO47

  88. James diz:

    Se eu por acaso encontrar esse fulaninho no meio da rua da “minha” aldeia , ou um de nós muda de passeio ou ele fica estendido no chão, (o meu ‘treino’ é melhor que o da criatura referida) e tenho razões muito particulare para o faxer (vai-te tentar engatar a prostituta da tua avó, idiotttttérrimo , deixa-lhes bilhetinhos (ou post.its) em cima da secretária a falar de ‘corpos quentes ‘ou a pôrra, axas que eu não li ?)
    Estúpido f.d.p., cruza-te comigo… e a minha será a última tromba que ‘bês’
    E isto filhote não é um aviso nem uma informação, é a tal’outra coisa’…
    Entendidos, son of a .. isso.

  89. Simão Campos diz:

    Definitivamente o prestigiado “comentador” Miguel Sousa Tavares não se deu ao trabalho de pesquisar a natureza do protesto de próximo dia 12.
    Saberia assim com uma pesquisa rápida as premissas que o apoiam e que nada têm haver com demagogia, mas sim com livre expressão de emoções e ideias por parte das gerações que se sentem enquadradas nos problemas da sociedade actual.

    A livre expressão de ideias de uma forma pura permite uma representação o mais real possível da vontade de uma nação e a sua classe política deve ouvir esse descontentamento pois é sua função a prática com vista o melhor interesse do povo que o elegeu.
    Isto não é demagogia, mas sim em parte uma das premissas em que se assenta a democracia.
    Assentando-me no princípio da liberdade de expressão pergunto-me até que ponto as músicas dos homens da luta e os comentários do escritor acima citado não se enquadrarão numa mesma classe (não comparando conteúdos claro), os da “opinião individual ou pessoal”, em que a interpretação e valor dependem apenas da recepção e compreensão dos espectadores.

    Ora bem, para opiniões pessoais tenho as minhas e essas conto leva-las dia 12 para a Batalha e quanto aos comentários/ opiniões/ demagogia/ etc sinceramente penso que não conspurcaram a dignidade desta manifestação que não quer destruir, mas sim mudar e reconstruir.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s